sábado, 30 de maio de 2009

vertente

Minha rima
Água
- ácida
e antiga
- na sua íntima
língua

4 comentários:

Poeta Matemático disse...

Faz tempo que não venho aqui, mas é bom saber que continua docemente belo...

Parabéns

O'Franck disse...

Sandra,

Me encanta a sua poesia rara e melhor a cada vez.

José Rosa (ZeRo S/A) disse...

Palavras que provocam sensações...um certo deconforto.

Paulo Viggu disse...

Sandra falando de água faz um versobarco que desce e vai parar no rio daqui. Saudade na mala. Passo aqui agora depois de voltar de longe. Meus amigos poetas virtuais me fazem uma puta falta.
beijo - Paulo Viggu