sábado, 19 de junho de 2010

delírio de uma noite sem verão

Deito em nossa cama
para esperar o momento
perfeito e oportuno
de invadir teu esquecimento
num desses meus impulsos noturnos
... No repouso do corpo
meu desejo latejante se adia
sonhando ter tua âncora
fincada em minha fantasia

Um comentário:

poetamatematico disse...

Como sempre,

Aliciante..