domingo, 15 de setembro de 2013

monorrímica


se não te manifestas
julgo que me detestas
E aparar arestas
como estas
é o que me resta

entre as frestas:

o gesto
é
resto

Um comentário:

Antonio Lopes disse...

as aparências podem enganar..às vezes,a gente não diz o que pensa,por um monte de motivos..o ideal seria não julgar precipitadamente..sei que existe a intuição e que o poeta lê nas entrelinha.. gostei do poema.