quinta-feira, 23 de agosto de 2007

demora

Horas nubladas de espera
Entram pela janela
e se espalham na casa
...uma espessa camada de saudade
Me abraça...
Deixando a pele
em brasa
O tempo pára...
Me esquece... desaparece
num silêncio que me cala...
Por dentro, sua falta me explora
...sua ausência bate à porta
e o telefone não toca...

4 comentários:

Paula Calixto disse...

Que o relógio acelere!!![;)]

Lindo!!!

Beijos

Camila Lemos Barata disse...

Na espera o alimento da fantasia.:)

Um beijo,querida!

andré gabriel disse...

'demora' é sinônimo de 'espera', que por sua vez lembra 'desespero'. beijos

ZeRo S/A disse...

Poema queme fez sentir uma certa dor...