quarta-feira, 31 de outubro de 2007

livro de cabeceira

(para um artista e poeta)

leio teus versos
(perfeitos)
és agora:
poeta eleito
...deito sobre a medida
que a rima
dissimula
leio-te à procura
de um eu-lírico
que se perdeu
no desconcerto
íntimo
de um poema
que foi meu

11 comentários:

paulo vigu disse...

Deitar sobre a medida, rimar, remar - deslizar águas - Um eu-lírico vai emergir.Riodaqui. Beijo na dona da casa.

Leandro Jardim disse...

ah, coisa boa... dá vontade de dançar!!!


beeeeeeeeeeijos
Jardines

moacircaetano disse...

misturam-se rimas e corpos, versos e suores...
lindo como sempre!

Caruco disse...

Tudo bem contigo?
(Não fique confusa. Caruco é pseudo, apelido, fase nova, enfim...)
Ass: Jota

Daniel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel disse...

Obrigado, Sandrinha, minha querida!! obrigado por me tornar íntimo assim!
Bjos
Daniel

Mi disse...

Bom d+!

Élcio disse...

Adorei seu blog.
Delicado e sensual na medida exata.
Parabens pelo feeling.
Voltarei mais vezes.

É isso ai.
Bjs

Múcio L Góes disse...

putz, amiga!

show!

ser poeta eleito rufa tambores no peito.

bjo.

* hemisfério norte disse...

verso não sei fazer
só sei dizer
que gostei.
bjs de Portugal
a.

Francisco Dantas disse...

Cara de sorte esse, Sandra. Além de artista, poeta, e, ainda por cima, merecer um poema assim de inestimável lirismo. Um beijo.