quarta-feira, 3 de outubro de 2007

patrimônio

Tenho na palma da mão
Meu coração em pedaços
Protejo seus retalhos
E o grão que teu beijo espalha
Saliva em gotas... migalhas
Tudo o que, sendo mínimo,
Se valoriza como pérolas:
As minúsculas células da tua alma!
E mantenho meu tesouro
Guardado com o gosto da tua boca
No baú do meu corpo
Até nosso próximo encontro

11 comentários:

paulo vigu disse...

Essa poeta se lança de corpo e alma. Protege e guarda os seus naquele baú escondido na alma. Riodaqui aí. beijo. Paulo Vigu

Múcio L Góes disse...

mergulho pro fundo, dentro do outro é bem melhor de morrer.

bjo, querida.

andré gabriel disse...

já disse e repito, esse teu estilo é único, e perfeito. adoro estas tuas letras assim. beijos

Rayanne disse...

Nem essas pequenas pérolas possuo...
Aprendi então a guardar reflexos.

**Estrelas**

Anônimo disse...

sandrinha, mergulhei profundamente em tudo que havia pra ler. agora tou aqui... pura poesia que não sabe se ler! rs...
vamos combinar? não vamos mais nos perder, tá? quero estar sempre por perto deste desabrochar de poesia!
beijocas

Loba disse...

eu, anônimo? rs... que louca!
mais beijos

Raiça Bomfim disse...

quem faz do amor seu patrimônio,
toma a poesia em matrimônio.

Leandro Jardim disse...

Sempre bom,
sempre-boa-sandra!

beiJardins

Francisco Dantas disse...

Sandra, e que tesouro essa sua poesia, cada vez mais rica em insinuações cativantes. É um prazer revê-la e relê-la. Um beijo.Francisco Dantas.

moacircaetano disse...

Guardar células exige mão suave e amor!

Renata disse...

"O silêncio é a alma da plenitude, é o vento leve da respiração,
é a ponte das meras palavras infinitas, ou apenas,
aquelas fáceis de dizer, por tantas formas, mas que o siêncio
resume tudo."
By Renatinha