sexta-feira, 17 de novembro de 2006

vernissage

Leia-me às cegas
Com olhos vendados
Leia-me sem pressa
Com seu lúdico tato
Leia-me: aquarela sem tinta
Deixe que eu sinta
Na tela de branca textura
A cor que seu pincel revela
Quando você escreve sua assinatura

2 comentários:

renata disse...

:)))

Múcio Góes disse...

aeww!!! isso é que se pode chamar "casa nova"! parabéns! e a poesia sempre intensa!

bjos!