terça-feira, 23 de janeiro de 2007

avant-première

(um poema idealizado e editado a quatro mãos,
quatro pernas, duas bocas... cena a cena)*
No quarto - cenário improvisado
Cortinas e quadros são platéia
A contar quantos gemidos tortos
Cabem na nossa noite de estréia
Na cama, o lençol é tela
Nela projetamos o melhor do drama
Numa visão distorcida que dispensa câmera
Teu olhar, objetiva lente,
Toma minha nuca em primeiro plano
E cada gesto se prende na razão que se desgoverna
... entre as pernas, um beijo me põe tua boca
E ensaiamos a aventura que se estende
por um roteiro sem direção à procura do foco:
1° ato... meus desejos brilham entre teus dedos
2° ato ... meus seios deslizam e em tuas mãos se encaixam
Em todos os outros atos:
Se clímax me ofereço, te recebo ereção
Amadores e amantes neste filme
Repetimos... a cena... à exaustão

* Obrigada pela contribuição em todos os atos desse roteiro

9 comentários:

Fejones disse...

Ê, la vida...

Poeta Matemático disse...

rsrrs

É, vida boa, hein?

Difícil...

czarina disse...

sim, bom demais
sarau hoje hein!
:*

moacircaetano disse...

que lindo!
e mais lindo ainda é poder ler ao seu ladinho!
beijos!

Alex disse...

Ulalá, que roteiro...

paulo vigu disse...

Quero entrar na fervura do sarau do Sandra. Tem convite? Riodaqui e beijo e água e cais. Paulo Vigu

paulo vigu disse...

Ops - digo "de Sandra"

Juliana Pestana disse...

Nooooooooossa, isso foi delicioso, Sandra.
Engraçado a "nossa" fixação por nuca... rs
Me vejo sempre e muito nos seus versos.

Bjos doce.

PS: venha ver a roupinha nova do mendoscopia! ;-)

Rafael disse...

Ahhhhhhhhhh, mas você não colocou o nome dele - as vezes é melhor não colocar mesmo, né ...mesmo p q ele é muito gatão e vai que se interessam em fazer também huarahuara
Beijão, maravilhosa