domingo, 7 de janeiro de 2007

confissão

Vivo em suas fantasias
Como a vadia a labutar
E no silêncio da cama
Seus fetiches ocupam outro lugar
Sussurro desejos perversos
Na febre da noite cotidiana
Que guarda seu sexo mais perto
Para que ainda me arda a chama

7 comentários:

Fábio Pinheiro disse...

Olá! Feliz ano novo! Gostei mais daquí do que do zip.net. Vais manter os dois? Grande abraço!

paulo vigu disse...

O roteiro febril faz a palavra daqui arder. Aqui reside algo que brota da força lunar. Riodaqui levando beijo & chuva & águas porque trans & borda. Paulo Vigu

Múcio Góes disse...

a chama chama qd arde, antes que seja tarde.

bjo.

Leandro Jardim disse...

Esta mujer es muy caliente!!!
hehehehe

Anônimo disse...

sexo? mulher? poesia?
ai, que delícia encontrar uma irmã...
beijões da Paulina Jello
www.malditasmulheres.blogspot.com

Tiago disse...

a mulherada tá saidinha, hein?

Alex Sens disse...

De tarde anoiteço, de noite ardo? Arder faz bem.